Você sabe o que é esteriotipia? E fidget? E stim toy? 🤔


Toda ver que você vir uma pessoa balançando os pés quando impaciente, batucando com os dedos na mesa ou enrolando uma mecha do cabelo, lembre-se: essas coisas são tão estereotipias quanto os movimentos repetitivos realizados por pessoas no espectro autista ou com algum tipo de comprometimento no neurodesenvolvimento. A diferença reside na aceitação social desses movimentos. As mesmas pessoas que toleram ou consideram aceitável que uma pessoa roa as unhas ou balance as pernas, não aceitam estereotipias comuns de pessoas com TEA tais como: balançar o corpo para frente e para trás, balançar os braços para cima e para baixo, pular, morder, estalar os dedos, girar a si mesmo ou a objetos, arranhar, entre outros.

Estudos no campo da neurologia concluem que quando estamos sobrecarregados com pensamentos ou problemas complexos, descarregamos uma parte dessa carga através da realização de determinados movimentos, liberando, assim, recursos cognitivos para realizar o processamento mental de forma mais efetiva. Desta forma, pode-se concluir que as estereotipias nada mais são do que respostas neurobiológicas naturais e saudáveis. 😊


No caso de crianças com Transtorno do Espectro Autista, muitas vezes as estereotipias são vistas como meramente autoestimulatórias mas isso não é 100% verdade. Em várias ocasiões, os movimentos repetitivos são realizados como uma forma da pessoa se acalmar e aliviar a tensão. A estereotipia também pode funcionar como um comportamento protetivo em resposta a uma super estimulação do cérebro, servindo para bloquear estímulos do ambiente ou para demonstrar sensações de frustração ou dor.


Assim, os movimentos estereotipados podem ter funções diferentes a depender das características de cada pessoa. Por exemplo, para uma pessoa hipossensível, a estereotipia pode servir para estimular os sentidos, ao passo que para alguém hipersensível, pode assumir a função de filtro dos estímulos.


Mas o que fazer quando as estereotipias estão atrapalhando mais do que ajudando? E se elas estão colocando em risco a própria pessoa ou quem está por perto? 🤔


Nesses casos, medicação e terapia são opções válidas, mas devem ser sempre prescritas por profissionais competentes. Outra opção é oferecer ou propiciar uma forma de estimulação alternativa e segura. E é aqui que entram os fidgets ou stim toys. Eles nada mais são do que objetos destinados a suprir a necessidade de se movimentar, de realizar um determinado movimento ou mesmo de ter alguma experiência sensorial. Um exemplo bem recente de fidget ou stim toy que ficou famoso é o Spinner. Mas existem vários outros modelos, veja só:




Quer saber mais sobre eles?

Na linha de cima, da esquerda para a direita, temos:

🚩 Cubo sensorial

🚩 Colar Mordedor


🚩 Spin e Estrela

Na linha de baixo, também da esquerda para a direita:

🚩 Topper Capa

🚩 Ampulheta de gel


🚩 Bola Antiestresse


🚩 Cubo da Calma e Cubo da Respiração





Você já conhece a TeraPlay e suas soluções inovadoras que buscam promover o automonitoramento, educação emocional, comunicação e regulação sensorial? 



Comentários

Postagens mais visitadas